WFHSS - World Forum for Hospital Sterile Supply

WFHSS - World Forum for Hospital Sterile Supply

English | español | português

WFHSS - World Forum for Hospital Sterile Supply / Education / General / Sterilization Basics / Embalagem

O Ciclo de Produtos Esterilizados: Embalagem

Author: Jan Huys


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem

Não se deve remover os artigos de suas sacolas... Invólucro em proteção contra pó. Protetores de pó são aplicados sobre a embalagem primária para garantir uma proteção adicional...


Sterilization of Medical Supplies by Steam, Volume 1 General Theory - Second Revised Edition
Sterilization of Medical Supplies by Steam, Volume 1 General Theory - Second Revised Edition
In a hospital or clinic it is necessary that all equipment and materials used for treating patients are absolutely safe for use: the chance for spreading of diseases should be kept as small as possible. Cleaning, decontamination and sterilization are important methods in this battle against this ever present threat. Especially since the fatal disease AIDS became so powerful and spread world wide, the demand for proper procedures for infection control gained momentum enormously. Diseases such as Hepatitis B, known to be transmitted through contaminated surgical instruments, stimulated the need for stricter guidelines for disinfection and sterilization.
This book focuses on the most common and most safe method used for sterilization in the Central Sterile Service Departments in healthcare institutions: sterilization by pressurised high temperature steam.
A first major step to improvement of sterile supply is the training of all personnel involved (technicians, staff and users). Moreover, in the recently published European standards on sterilization, education is required of everybody involved in sterilization, whether it concerns the manufacturer of the sterilizing equipment or the technician maintaining or using it. This series of books provides a foundation needed to fulfil this requirement. Originally intended to educate technical service personnel in remote health institutions, it has grown into a textbook that can be used by anyone interested in sterilization.

The International Federation for Sterile Supply (IFSS) and the World Forum for Hospital Sterile Supply (WFHSS) are pleased to recommend the book to all their members and all others involved in sterilization practices.

Click here for a book brochure/flyer in PDF format [494 KB].

This book is also available in Turkish:
Tibbi Malzemelerin Buharla Sterilizasyonu
Cilt I - Genel Teori

Edited by Hülya Erbil
Please contact Hülya Erbil for further information:
Author(s): Jan Huys
ISBN: 90-75829-04-3
Publisher: HEART Consultancy, Renkum, The Netherlands
Published: 2004
Pages: 295
Illustrations: more than 200 coloured illustrations, photos, graphs and tables
How to order: You can order the book through a bookshop using the ISBN number or directly from the author/publisher, Jan Huys/HEART Consultancy through letter, Fax, or E-mail:
  • Address: Jan Huys, HEART Consultancy, Quadenoord 2, 6871 NG Renkum, The Netherlands
  • Fax: +31-(0)317-450469
  • E-mail:
  • Web: www.heartware.nl

TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Conteúdo

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados: Embalagem (Packaging an instrument set in a non-woven sheet using the parcel fold)

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Embalagem (Workstation for packaging in pouches)

TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Por que embalar artigos esterilizados?

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: A embalagem é essencial para garantir a esterilização!
Packaging is essential for maintaining sterility!

Ao término de um procedimento correto de esterilização, os produtos no interior da câmara do esterilizador estarão esterilizados. O ar da sala onde o esterilizador estiver instalado contém partículas de poeira que podem conter microorganismos. Logo, ao remover a carga do esterilizador, esta será novamente contaminada. Além do mais, normalmente os artigos esterilizados são armazenados por algum tempo antes de serem utilizados e ainda por cima são transportados dentro do ambiente hospitalar até o local onde serão utilizados. Fica claro que qualquer artigo, quando não protegido, será recontaminado até o momento de ser usado.

Os artigos devem ser acondicionados em embalagens para evitar a recontaminação após a esterilização. Ao mesmo tempo, o material da embalagem deve ser adequado para permitir a esterilização dos artigos contidos dentro dela!

Além do que, a embalagem deve proteger seu conteúdo durante o manuseio e transporte.

Todos os produtos que serão esterilizados devem ser embalados.


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Conceitos de embalagem para artigos esterilizados

Dependendo do tipo de uso, armazenagem e transporte, um artigo esterilizado deve ser embalado em uma ou mais camadas de embalagem:

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: 
		Um instrumento acondicionado em uma embalagem primária
Um instrumento acondicionado em uma embalagem primária

Embalagem primária para acondicionar produtos

A embalagem primária evita a recontaminação do produto após a esterilização. Ela deve oferecer uma barreira microbiana e permitir a passagem de ar e do agente esterilizador, ex.: vapor. Uma embalagem primária é suficiente quando não há possibilidade de que poeira se deposite na embalagem, como em um depósito livre de poeira ou nos casos de reutilização imediata do material. A embalagem primária mantém a esterilização durante o armazenamento e transporte. Exemplos de embalagem primária são: 2 camadas de papel, 2 camadas de folhas de TNT (tecido não-tecido), pouches de filme laminado ou duplamente laminado, saco de papel ou invólucros contendo filtro(s) adequados.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Itens descartáveis em embalagem secundária
Itens descartáveis em embalagem secundária

Embalagem secundária

Esta segunda camada serve para ajudar no armazenamento adequado e no transporte até o usuário. Essa embalagem pode conter uma ou mais embalagens primárias. Ex.: uma embalagem extra de plástico, saco, caixa de papelão ou invólucro. Essa embalagem pode garantir proteção adicional contra poeira e maior resistência mecânica, tornando o manuseio mais fácil. Essa embalagem é comumente usada para artigos esterilizados descartáveis
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Vagonetas fechadas para transporte externo
Vagonetas fechadas para transporte externo

Embalagem para transporte

Essa embalagem é utilizada para transporte externo de artigos esterilizados dentro de suas embalagens primárias e secundárias. Normalmente é uma caixa de papelão resistente, engradado ou uma vagoneta fechada ou outro tipo de "container".

Quando os artigos entram em um ambiente limpo, ex.: sala de cirurgia, a embalagem para transporte deve ser removida.

When the goods enter the clean area, e.g. operating theatre, the transport packaging should be removed.
 

Todos os artigos devem ser esterilizados dentro de pelo menos sua embalagem primária.


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Validação do sistema de embalagem

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Qualquer combinação de processo de carga, embalagem e esterilização deve ser validado.
Qualquer combinação de processo de carga, embalagem e esterilização deve ser validado.

É fundamental que o sistema de embalagem e seus conteúdos estejam em conformidade com as exigências de manutenção da esterilidade e proteção de seu conteúdo. Por isso, todos os procedimentos de embalagem devem ser validados em conjunto com a carga e o procedimento de esterilização adotado. Ao verificar um processo de embalagem, as condições de transporte e armazenagem devem ser igualmente consideradas! (ver EN 868-1)
 


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Exigências da embalagem primária

Ao observar uma embalagem desde o momento em que ela é colocada em volta de um artigo antes de sua esterilização até o momento em que seja aberta antes da sua utilização de seu conteúdo, tornam se evidentes os requisitos dela:

  • Viável à esterilização. A embalagem deve possibilitar que o ar dentro da embalagem seja expulso e que o agente esterilizador alcance todas as superfícies do seu conteúdo.
  • Compatível com o processo de esterilização. A embalagem deve resistir às condições inerentes aos processos de esterilização, tais como mudanças de pressão, altas temperaturas e umidade.
  • Manutenção da esterilização. Após sua a remoção do esterilizador, o artigo deve permanecer esterilizado durante seu manuseio, transporte e armazenagem até seu uso.
  • Resistente. A embalagem deve manter sua integridade após manuseio e transporte.
  • Garantir a integridade do produto e a segurança do paciente. A embalagem não pode liberar produtos químicos ou partículas ou afetar o produto de forma a alterar sua qualidade ou colocar em risco o paciente em quem o produto será utilizado.
  • Indicador. A embalagem deve conter uma marcação claramente visível indicando se o produto está ou não esterilizado.
  • Possibilitar abertura e apresentação assépticas. Ao abrir um produto esterilizado, a chance de sua re-contaminação deve ser mantida a mais baixa possível. Deve-se evitar a re-contaminação ao remover o produto de sua embalagem. Em outras palavras: esta embalagem deve permitir abertura e apresentação fáceis. Isso implica em:
    • Abertura simples
    • Ao remover o artigo esterilizado da embalagem, não deve ser permitido seu contato com a superfície externa da embalagem.
  • Indicativo de abertura. A embalagem deve oferecer indicação clara e visível de sua abertura.

TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Orientações gerais para a prática da embalagem

  • Nas unidades hospitalares que empregam mais de um método de esterilização, medidas devem ser adotadas para garantir que a troca das embalagens de esterilização seja evitada. As embalagens devem conter indicações claras sobre que tipo de processo de esterilização devem ser utilizadas.
  • Instrumentos médicos re-utilizáveis que se destinam a re-esterilização (ex.: em função do vencimento da data de validade, ou porque a embalagem foi de alguma maneira danificada) devem ser inspecionadas e quando necessário, lavadas e re-embaladas. Embalagens têxteis devem ser recondicionadas.
  • O conteúdo de uma embalagem que tenha sido equivocadamente aberta deve ser considerada como não esterilizada. Deve ser evidenciado que a embalagem foi aberta. Ex.: danificando o material do qual a embalagem é feita. O conteúdo dessa embalagem deve então ser inspecionado e quando necessário, lavado. Devendo somente então ser re-embalado e esterilizado.

TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Materiais de embalagem

Uma variedade de materiais usados para embalagem encontra-se disponíveis.

Os materiais utilizados para embalar artigos esterilizados são tradicionalmente re-utilizáveis, tais como tambores ou artigos de algodão. Devido a sua natureza inadequada como barreira microbiana, a maioria desses materiais já não está em conformidade com as exigências para embalagens primárias. Podem contudo ainda exercer uma função secundária de proteção mecânica ou como camada adicional contra poeira. Atualmente, pouches feitos de filme laminado ou tecido não-tecido são empregados como materiais adequados para embalagem primária. A seguir temos um sumário dos materiais de embalagem utilizados nos processos de esterilização:

Soft/flexible packaging materials

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Unidades de saúde com recursos limitados ainda embalam em tecido de algodão
Unidades de saúde com recursos limitados ainda embalam em tecido de algodão

Tecidos: algodão ou linho

Uso: Embalagem interna de conjuntos de instrumentos ou proteção externa contra poeira

Tecidos por si só não servem como embalagem primária!

Tecidos de algodão há muito vêm sendo o material de embalagem padrão para artigos esterilizados. Esse material possui algumas grandes vantagens:

  • Tecidos são produtos comuns e bem conhecidos nas dependências hospitalares.
  • Possuem boa resistência
  • Facilmente dobráveis e conveniente de serem utilizados.
  • Podem ser re-utilizados.

Contudo, as aberturas entre as tramas são maiores que a maioria dos microorganismos impedindo assim que o tecido seja utilizado como barreira microbiana. Logo esse material já não atende às exigências de material para embalagem primária para artigos esterilizados. Contudo, esse material é freqüentemente utilizado como embalagem interna ou como proteção contra poeira.

Sempre que um tecido for utilizado este deverá reter sua umidade natural. (Deve ser condicionado). Os tecidos quando muito secos podem causar superaquecimento do vapor levando a uma falha na esterilização.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Folhas de papel estão disponíveis em vários tamanhos e resistências
Folhas de papel estão disponíveis em vários tamanhos e resistências

Folhas de papel

Uso: Embalagem primária para embrulhos com tecidos e conjuntos de instrumentos em bandejas. Também são utilizados como embalagem interna em containers.

O papel foi a primeira alternativa ao uso de tecidos. Papel possui tamanhos de poros inferiores àqueles dos tecidos, podendo assim ser usado como embalagem primária. Papeis macios são utilizados para embrulhos internos, enquanto que papel crepado é mais resistente e áspero.

Durante a esterilização, o vapor penetra através da embalagem. Quando o papel é molhado ele perde boa parte de sua resistência mecânica original, logo deve ser evitado qualquer tipo de stress na embalagem. A embalagem não deve ser feita muito apertada, mas também não pode ser muito frouxa. A secagem deve ser feita de maneira adequada.

As folhas de papel são de uso único, não podendo ser re-aproveitadas.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Sacos de papel para esterilização
Sacos de papel para esterilização

Sacos de Papel para esterilização

Uso: Para embalar instrumentos individuais ou pequenos conjuntos de instrumentos utilizados em enfermarias.

O fechamento é normalmente feito com aparelhos de selagem.

Desvantagem:

  • Não são muito resistentes
  • A abertura não é prática: rasgar ou cortar.
  • Não propiciam uma abertura asséptica.
  • Não possibilitam a visualização do conteúdo

A apresentação asséptica pode ser melhorada com a colocação do instrumento com o cabo voltado para a abertura. Não é conveniente remover o instrumento do saco. Sua utilização tem sido reduzida com o aparecimento do pouches de filme laminado.

Sacos de papel para esterilização devem ser utilizados uma única vez.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Material não-tecido
Material não-tecido

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Material não-tecido repele a água
Material não-tecido repele a água

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Embalagem de conjunto de instrumentos em folha de tecido não-tecido empregando a técnica de dobradura de pacotes
Embalagem de conjunto de instrumentos em folha de tecido não-tecido empregando a técnica de dobradura de pacotes

Folhas de tecido não-tecido (TNT)

Uso: Embalagem primária para envolver embrulhos de material têxtil e conjuntos de instrumentos em bandejas. Também são utilizadas para embalagem interna em containers.

O material TNT possui certa quantidade de fibras sintéticas. Outros tipos de fibras podem ser adicionadas a ele, tais como fibras inorgânicas, têxteis, de celulose ou outras fibras sintéticas. Essas fibras diferentes podem ser unidas por prensagem e calor. Isso significa que as fibras não são tecidas e sim seladas. Alguns materiais TNT foram desenvolvidos para atender as exigências para sua utilização como material para embalagem primária de produtos esterilizados. Esses materiais combinam várias características desejáveis de outros materiais de embalagem:

  • São muito resistentes
  • São facilmente dobráveis
  • Permitem a retirada do ar e a penetração do agente esterilizador
  • Possuem poros muito pequenos, resultando em uma barreira microbiana eficaz
  • Não soltam pelos e estão livres de partículas e fibras soltas
  • Repelem líquidos (hidrofóbicos) e os fluidos não são absorvidos pelo tecido.
  • Existem vários materiais não-tecidos disponíveis para uma ampla variedade de aplicações na área de esterilização: extra macio, extra forte, etc.

Folhas de material não-tecido devem ser utilizados uma única vez.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados: Pouch de filme laminado típico
Pouch de filme laminado típico

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Pouch de filme laminado em vários tamanhos e em rolos
Pouch de filme laminado em vários tamanhos e em rolos

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Equipamento para selar os pouches
Equipamento para selar os pouches

Pouches de filme laminado

Uso: Embalagem primária para instrumentos individuais ou pequenos conjuntos de peças.

Esse material sucedeu os sacos de papel para esterilização. Os pouches consistem em uma folha de papel ou material TNT e uma película de filme plástico transparente que são selados juntos. A película não pode ser penetrada por ar ou vapor. A remoção do ar e a penetração do vapor se dão através do papel/TNT. O pouch pode ser aberto pela remoção do verso de papel, de forma semelhante ao descascar de uma banana.Esse material sucedeu os sacos de papel para esterilização. Os pouches consistem em uma folha de papel ou material TNT e uma película de filme plástico transparente que são selados juntos. película não pode ser penetrada por ar ou vapor. A remoção do ar e a penetração do vapor se dão através do papel/TNT. O pouch pode ser aberto pela remoção do verso de papel, de forma semelhante ao descascar de uma banana.

Os pouches são disponíveis em diversos tamanhos. O lado da abertura do pouch é selado através de equipamento específico. É importante que a temperatura e a pressão de selagem sejam bem ajustados, de forma a que se obtenha uma perfeita selagem.

O filme laminado está disponível em rolos. O usuário pode cortar os pouches de qualquer tamanho desejado. Neste caso, ambos os lados devem ser selados pelo usuário.

Observações

  • O processo de descascar garante uma abertura asséptica e livre de poeira.
  • O pouch deve ser feito de tal forma que ao abri-lo ele não rasgue o papel ou o filme e sim que ele abra no selo.
  • O pouch não deverá liberar fibras ao ser aberto.
  • Seu conteúdo deverá ser visível.
  • O pouch não poderá ser selado novamente após ser aberto por engano.
  • O pouch deverá conter um indicador de esterilização para identificar se o mesmo já foi processado.
  • O conteúdo do pouch não deverá estar embalado de forma apertada, devendo estar solto o suficiente para mover-se dentro da embalagem.
  • Pouches de esterilização devem ficar na posição vertical na bandeja ou grade e não muito próximos uns dos outros, devendo haver uma folga que permita uma mão passar entre eles.
  • Os pouches de filme laminado só podem ser usados uma única vez.
  • Ao embalar em pouches duplos, certifique-se de que o lado com o papel esteja sempre do mesmo lado e de que o pouch interno tenha mobilidade dentro do pouch externo!

Sistemas rígidos de embalagem

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Tambores de esterilização são adequados apenas como proteção mecânica adicional (embalagem secundária)
Tambores de esterilização são adequados apenas como proteção mecânica adicional (embalagem secundária)

Tambores de esterilização

Uso: Como embalagem secundária: proteção mecânica do conteúdo.

Seu uso não é adequado como embalagem primária.

No passado, a maioria dos esterilizadores tinha câmaras cilíndricas. Havia tambores para os diversos tamanhos de câmaras. Para permitir a entrada do vapor a parede do tambor é perfurada. Uma cinta metálica em torno do tambor podia ser ajustada de forma a obstruir ou abrir os furos. Os furos eram abertos antes da esterilização e fechados novamente após o processo. Esses tambores são conhecidos como tambores Schimmelbush e eram largamente utilizados.

Problemas:

  • A cinta era fechada após a esterilização permitindo assim a recontaminação imediatamente após a esterilização.
  • A cinta não oferece uma selagem adequada permitindo que ar contaminado fosse sugado para dentro do tambor. O fechamento da tampa também não propiciava uma selagem correta.
  • A maior parte das autoclaves possuem câmaras horizontais e retangulares. Tambores oferecem um aproveitamento interno do espaço muito ineficiente.
  • Os tambores têm tampas com dobradiças que afetam a abertura asséptica do tambor.

Logo, os tambores não servem como embalagem primária. Podem ser utilizados apenas como proteção mecânica adicional.

Tambores com filtros no topo e no fundo

Existem tambores com filtros na tampa e no fundo. Esses podem ser considerados como containers de esterilização para autoclaves verticais e cilíndricas.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Carregamento de um esterilizador com containers
Carregamento de um esterilizador com containers

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Container esterilizador
Container esterilizador

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Descarregando uma bandeja de
Descarregando uma bandeja de

Containers de esterilização

Uso: Embalagem primária de pacotes têxteis e conjuntos de instrumentos em bandejas.

Containers de esterilização bem projetados oferecem as seguintes características:

  • Remoção do ar e acesso do vapor através de válvulas ou filtros. Esse mecanismo garante a manutenção da esterilidade durante o período de armazenamento.
  • Existem containers com filtros na tampa e fundo para autoclaves com deslocamento vertical para baixo. O tamanho da maioria dos sistemas de containers tem por base a Unidade de Esterilização (uma UEs - unidade de esterilização - eqüivale a 30cmx30cmx60cm)
  • Assim sendo, eles cabem nos esterilizadores, lavadoras automáticas e são compatíveis com os materiais de embalagem que também são produzidos com base nessa unidade.
  • A tampa é totalmente removida da base, facilitando assim uma abertura asséptica.
  • Os containers oferecem proteção mecânica durante o manuseio e o transporte.
  • Os containers podem ser empilhados desde que esse empilhamento não afete a penetração do vapor, nem tão pouco permita que a umidade condensada pingue dos containers mais altos nos inferiores. Uma secagem adequada deve ser assegurada.
  • Cestas podem ser empilhadas dentro dos containers.
  • Um sistema de rotulagem propicia uma identificação clara do conteúdo, data de produção, etc.
  • Existe um mecanismo de proteção que indica claramente se o container foi violado/aberto.

Dependendo do tipo de processo de esterilização, os containers são usados com filtros na tampa e no fundo (para o processo de deslocamento para baixo) ou containers com filtros somente na tampa para processos de pré-vácuo fracionado.
 


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Técnicas para embalagem usando material em folhas

Ao abrir uma embalagem contendo material esterilizado é importante que o ato da abertura não contamine o conteúdo. Técnicas de embalagem de pacotes ou conjuntos foram desenvolvidas para assegurar uma abertura asséptica. As técnicas de embalagem mais comuns aplicáveis na embalagem de pacotes ou conjuntos de instrumentos são a dobradura envelope e a dobradura pacote. As coberturas não dobradas recobrem a mesa do instrumento propiciando assim um campo esterilizado. As técnicas podem ser aplicadas tanto para folhas têxteis, como para folhas de papel ou TNT.

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Dobradura envelope: Para objetos ou conjuntos pequenos.
Dobradura envelope: Para objetos ou conjuntos pequenos.
 
WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Dobradura pacote: Utilizado para objetos maiores como bandejas de instrumentos, pacotes têxteis, etc.
Dobradura pacote:fold: Utilizado para objetos maiores como bandejas de instrumentos, pacotes têxteis, etc.


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Acessórios para embalagem

Fita indicadora

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Fitas para embalar adequadamente diversos agentes, Com e sem indicador
Fitas para embalar adequadamente diversos agentes, Com e sem indicador Tapes for packaging suitable several agents. With and without indicator
Para manter um pacote fechado utiliza-se fita adesiva. Essa fita poderá ou não conter um indicador. As fitas devem ter boas características de aderência e serem facilmente removíveis sem deixar resíduos. Uma fita com indicador deve mostrar claramente uma mudança de cor sempre que exposta às condições inerentes a um processo de esterilização. Fitas com indicadores são chamadas de fitas indicadoras. Quando utilizadas para o vapor são também chamadas de fitas de autoclave.

Bandejas e cestas

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Instrumental disposto em uma bandeja
Instrumental disposto em uma bandeja

Para acomodar conjuntos de instrumentos pode-se utilizar bandejas aramadas ou perfuradas em aço inox. Essas são disponíveis em uma variedade de tamanhos. Na maioria dos casos o tamanho dessas bandejas é baseado na Unidade de Esterilização (30cmx30cmx60cm). Isso garante que se encaixem de maneira eficiente nos esterilizadores e lavadoras combinando com os tamanhos de materiais para embalagens.
 

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Cesta protegendo pacotes menores
Basket as protection for small packages

Cestas podem ser utilizadas para pacotes menores e oferecem proteção extra para a embalagem primária durante o manuseio. Além do mais, elas mantêm os pacotes menores na posição vertical, garantindo assim o acesso ideal do agente esterilizador nos pacotes. As cestas têm seu tamanho baseado na Unidade de Esterilização o que as torna compatíveis com os tamanhos de bandejas, esterilizadores e lavadoras
 

Materiais de Proteção

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Proteção de Instrumentos
Proteção de Instrumentos

Materiais de proteção são utilizados para evitar que instrumentos afiados danifiquem a embalagem primária. O instrumento também fica protegido contra danos.

Estes materiais não devem ser colocados de maneira muito apertada em torno do instrumento para permitir que o agente esterilizador tenha acesso a todas as superfícies do instrumento.


 

Proteção contra a poeira

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Pouch dentro da proteção
Pouch dentro da proteção

Protetores de pó são aplicados sobre a embalagem primária para garantir proteção extra aumentando assim o período de validade.

O protetor deve ser aplicado após a carga ter resfriado suficientemente, mínimo de 30 minutos após a esterilização!


 

Setor de embalagem

WFHSS Educação - O Ciclo de Produtos Esterilizados - Embalagem: Setor de embalagem de pouches
Setor de embalagem de pouches

O trabalho de embalagem requer muita atenção. Instrumental, bandejas e materiais de embalagem precisam ser manuseados. É por esse motivo que o setor de embalagem deve ser projetado de tal forma que o trabalho seja feito de maneira eficiente e que os problemas físicos dos trabalhadores sejam evitados. É indispensável uma mesa de tamanho e altura adequados que ofereça fácil acesso a todos os materiais.
 


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Escolha de materiais e métodos para a embalagem de artefatos esterilizados (embalagem primária)

A escolha do material e do método de embalagem depende do que será embalado. Países diferentes têm opiniões diferentes. Em muitos casos o fabricante do instrumento ou outros artigos médicos poderá dar instruções específicas sobre embalagem e esterilização. Nesses casos, essas instruções devem ser seguidas. Qualquer combinação de carga, embalagens e processos de esterilização deve ser validada. A seguir algumas orientações que servem para esterilização com vapor:

Pacotes têxteis

Recomendado: Duas folhas de material para embalagem; dobradura pacote ou dobradura envelope.
Alternativa: Container, pouch de filme laminado.

Pequenas quantidades de tecidos e/ou bandagens ou ataduras

Recomendado: Pouch de filme laminado, possivelmente em duplo pouch de filme laminado
Alternativa: container

Conjuntos de instrumentos em bandejas/cestas

Recomendado: Duas folhas de material de embalagem; dobradura pacote ou dobradura envelope
Alternativa: Container, pouch de filme laminado.

Instrumentos individuais:

Recomendado: Pouch de filme laminado, possivelmente em duplo pouch de filme laminado
Alternativa: container

Vasilhas e bandejas (pequenas)

Recomendado: Pouch de filme laminado; folha de papel, saco de papel
Alternativa: container

Vasilhas e bandejas (grandes)

Recomendado: Duas folhas de material de embalagem: dobradura pacote ou dobradura envelope
Alternativa: Pouch de filme laminado, saco de papel, container.

Catéteres, tubos e mangueiras

Recomendado: Pouch de filme laminado, e se necessário, duplo pouch de filme laminado
Alternativa: duas folhas de material de embalagem, saco de papel, container

Aparelhos óticos

Recomendado: Container especial, pouch de filme laminado, possivelmente duplo pouch de filme laminado, pouch de filme laminado em bobina.
Alternativa: duas folhas de material de embalagem, saco de papel.

Instrumentos cirúrgicos finos (individuais ou conjuntos)

Recomendado: Duplo pouch de filme laminado, container especial, duas folhas de material de embalagem em combinação com o sistema de suporte/rack.
Também possível: saco de papel.

Prótese mamaria

Recomendado: uma folha de material de embalagem em saco de papel
Também possível: container, pouch de filme laminado.


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO

Referências normativas (Europa)

Materiais de embalagem devem atender as exigências mínimas estabelecidas pela CEN (Comissão Européia de Normatização):

EN 868-1

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados. Exigências gerais e metodologia de ensaio

EN 868-2

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 2: Invólucro para esterilização - exigências e metodologia para ensaio.

EN 868-3

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 3: Papel para uso na fabricação de sacos de papel (especificado na parte 4 desta norma) e para fabricação de pouches e bobinas (especificado na parte 5 desta norma) - exigências e metodologia de ensaio.

EN 868-4

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 4: Sacos de papel - exigências e metodologia de ensaio.

EN 868-5

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 5: Pouches termo-selados e bobinas de materiais fabricados em papel e plástico - exigências e metodologia de ensaio.

EN 868-6

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 6: Papel para fabricação de embalagens para uso médico em esterilização através do óxido de etileno ou irradiação - exigência e metodologia de ensaio.

EN 868-7

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 7: Papel com superfície aderente para fabricação de embalagens termo-seladas para utilização médica na esterilização por óxido de etileno ou irradiação - exigência e metodologia de ensaio

EN 868-8

Materiais de embalagem e sistemas para aparelhos médicos a serem esterilizados - parte 8: Containers re-utilizáveis para esterilizadores a vapor de acordo com a norma EN 285 - exigência e metodologia de ensaio.


TOPO | CONTEÚDO | ANTERIOR | PRÓXIMO | ABAIXO